terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Meditação Diária ou Pequenas Reflexões


Na luta pela sobrevivência, corremos atrás de diplomas que nos capacitem a enfrentar a vida, e isso é compreensível.
O que deixamos de compreender é que o curso mais importante a seguir é o curso da vida.
Por isso, o passo mais significativo é tornar-se estudante da própria vida. 

(Paulo e Lauro Raful)


Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/noite%20estrelas%20do%20c%C3%A9u/
Esta pequena reflexão é algo que devemos ter em mente porque os diplomas contribuem para o conhecimento, mas só a abertura ao transcendente nos oferece a Sabedoria e a compreensão que queremos encontrar nos estudos.
A Sabedoria do Divino nos leva agir com amor, tolerância, paciência com tudo que não agrada ou não corresponde ao que de fato importa  para o crescimento nos vários aspectos da vida humana e a mantermos sempre a Esperança em algo que não vemos, mais confiamos que possa ser modificado.

Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Tristes dados sobre o país

Entre os países para os quais existem dados disponíveis, o Brasil é o que mais concentra renda no 1% mais rico, sustentando o 3º pior índice de Gini na América Latina e Caribe (atrás somente da Colômbia e de Honduras).

Segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) o Brasil é o 10º país mais desigual do mundo, num ranking de mais de 140 países.

Fonte: Relatório anual da Oxfam Brasil - 2017: “A distância que nos une”

O índice de Gini – criado pelo matemático italiano Conrado Gini, é um instrumento para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo. Aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente, varia de zero a um (alguns apresentam de zero a cem).
Situações como estas só se modificam a partir de políticas públicas mais igualitárias e inclusivas. Cabe a nós eleitores considerarmos não o interesse pessoal na hora de votar, mas o interesse coletivo porque público significa de todos e não apenas de alguns.

Precisamos ter clareza do nosso direito e dever de cobrar, exigir dos nossos governantes que demonstrem claramente de que maneira e onde estão sendo aplicados nossos impostos.

Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Os óculos do Poeta

O que há de tão interessante com os óculos do poeta, escritor e jornalista Carlos Drummond de Andrade? Sim, deve haver algo muito especial, já que mais uma vez a sua estátua no Calçadão de Copacabana (RJ) está sem os óculos, parte integrante de seu visual. Desapareceu misteriosamente... 
Pode ser obra de vândalos ou de alguém que não aceita a necessidade de olhos externos para enxergar tantas contradições e desvios na administração pública, em suas diversas esferas. 
Fonte: Portal G1

A estátua daquele que também foi um servidor público íntegro deve ser um grande incômodo na Cidade, outrora Maravilhosa e, ao retirar-lhe os óculos, quem o fez talvez esteja tentando poupar ou evitar que olhos perspicazes vejam o grau de descaso e desonestidade que vem assolando o Estado. 
O escritor de tantas gerações, que se vivo fosse completaria cem anos, sequer imaginava que um dia alguém lhe roubaria algo tão peculiar como os óculos de sua estátua.
Provavelmente, faria um texto emblemático, até com certa acidez, remetendo a tal fato e com a mesma capacidade de surpreender seus leitores atuais. 
Ele,realmente, é o nosso escritor de ontem, de hoje e de sempre. Cada linha de seus versos, de seus romances e crônicas continuam a atrair e encantar, deixando no leitor a sede de mais leitura.
Se há uma unidade em Drummond é esta: a controvérsia e a elegância de suas palavras transmitem uma sobriedade que lhe é peculiar.


Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)