sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Muito além do protocolo

Já imaginou uma cerimônia de casamento celebrada por ninguém menos do que o representante -mor do catolicismo?Pois é, para muito além do protocolo que, aliás quase nunca é seguido a risca, emocionante e surpreendente são os vocábulos que identificam a atitude do papa Francisco durante a viagem de avião para a cidade de Iquique, no Chile.
Mas isto demonstra o quanto para ele e para os cristãos católicos o matrimônio é de fato um sacramento e não um evento grandioso, solenidade particular ou pomposa. Um sacramento capaz de dar à família  sua dimensão para o futuro de uma sociedade fraterna, mais igualitária e respeitosa.
De acordo com os noivos que também se surpreenderam com a atitude  do pontífice, a explicação dada foi a seguinte: “Este é o Sacramento que faz falta no mundo, o do matrimônio. Eu desejo que isto motive outras pessoas a celebrarem o matrimônio”.
Portanto, mesmo sendo um ato histórico, já que não se tem conhecimento de ato semelhante, demonstra a preocupação real do Papa em preservar e tornar atual aquilo que consta na Bíblia:"o homem não separe o que Deus uniu", conferindo uma graça ainda maior para um sacramento no qual na sociedade atual se destaca pela pompa, pela festa, que apesar de importante não é o centro. Para comprovar isso, a certidão oficial está devidamente assinada pelo Pontífice, pelos noivos e testemunha, porém, em papel comum, sem timbre do Vaticano. E os noivos foram e estão se sentindo abençoados e privilegiados num sacramento que não tinha sido celebrado em função do terremoto e talvez porque a própria profissão dificultasse a definição de uma data.
Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)


Casamento no ar.  Foto de: Alessandra Tarantino I AP Photo





segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Mudança de Cenário

Sandálias, shorts de vários tamanhos, bermudas, legs, tênis, camisetas, chinelos havaianas, tamancos, óculos de sol. Isto não é numa praia, mas sim na Avenida Paulista, onde ternos, gravatas, camisas, calças e saias sociais, ternos femininos, e sapatos também sociais cedem espaço para a descontração aos domingos, dando continuidade à vida que pulsa ao som dos mais diferentes ritmos frenéticos que se apresentam em cada quadra.
Crianças, jovens e não tão jovens, idosos, duplas ou grupos misturam-se em cada quarteirão da Avenida, fazendo exercícios dos mais variados, pedalando ou simplesmente dançando ao som de um dos muitos ritmos que embalam a mistura dos mais diversos tipos que invadem o asfalto e as calçadas. Isto sem falar nos animais, presos em compridas correntes, farejando o chão e o ar. 
O vaivém de pessoas, que substitui o vaivém de carros, - estes, em conjunto com os ônibus, formam o nó do trânsito na cidade aos domingos.
À medida que a manhã termina e começa o período de almoço cresce o fluxo intermitente de pessoas se atropelando e acotovelando aqueles que estão na direção oposta. O colorido das roupas e bonés, assim como o guarda-sol / chuva das barracas, invadem todo e qualquer espaço livre da Paulista. Este cenário prevalece até 19h, semanalmente, quando os carros voltam ao referido espaço, cedendo espaço à noite que se instala e muda o cenário para a volta à rotina de mais uma semana que, efetivamente, se inicia.

Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Ler e Escrever - Educação: Direito Constitucional

A Educação  é um direito conforme consta do Capítulo II da nossa Constituição, em seu artigo 6º. Ler e Escrever faz parte desta Educação. Entretanto, encontramos inúmeros brasileiros que ainda hoje são iletrados, muitos deles trabalhando em empresas numa das regiões mais privilegiadas do país: a região da Avenida Paulista. 
Fonte: Google -banco de imagens

                        Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)
Foi este tipo de situação que gerou uma nova atitude por parte da gerente de uma empresa nesta região que, ao constatar o analfabetismo da equipe de limpeza (que era terceirizada) decidiu alfabetizá-la. Para tal contou com o apoio de uma pedagoga que aceitou o desafio. O grupo de funcionários, após cinco meses, já conseguia assinar o nome e escreveu uma carta para suas benfeitoras. Esta é uma informação que se tornou notícia no portal "Só Notícia Boa", contribuindo para acreditarmos que 2018 poderá ser um ano de maior solidariedade e de preocupação com a humanidade. Isto porque começam a despontar em diversos locais, e sobretudo, nas empresas a necessidade de buscar saídas mais positivas para as situações-problemas ao invés de apenas pensar na solução imediata: demitir o funcionário ou funcionários e contratar outros, muitas vezes, custando muito mais caro à própria instituição que gerou a demissão.Veja link com a notícia completa:
https://www.google.com.br/search?q=imagens+de+formatura&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=SmP0UYOFnYOhNM%253A%252CxTIYnQcQ8A0rsM%252C_&usg=__D2J1X8W8BL5eNsku7wFw66GlefQ%3D&sa=X&ved=0ahUKEwi7nYDN4tDYAhXCvZAKHVMoDxEQ9QEIKjAA#imgrc=9IJofO6r92eEMM: