terça-feira, 21 de novembro de 2017

Os óculos do Poeta

O que há de tão interessante com os óculos do poeta, escritor e jornalista Carlos Drummond de Andrade? Sim, deve haver algo muito especial, já que mais uma vez a sua estátua no Calçadão de Copacabana (RJ) está sem os óculos, parte integrante de seu visual.
Fonte: Portal G1
Configurações de postagens
Desapareceu misteriosamente...

Pode ser obra de vândalos ou de alguém que não aceita a necessidade de olhos externos para enxergar tantas contradições e desvios na administração pública em suas diversas esferas. 
A estátua daquele que também foi um servidor público íntegro deve ser um grande incômodo na Cidade outrora Maravilhosa e ao retirar-lhe os óculos, quem o fez talvez esteja tetando poupar ou evitar que olhos perspicazes vejam o grau de descaso e desonestidade que vem assolando o Estado. 
O escritor de tantas gerações, que se vivo fosse completaria cem anos sequer imaginava que um dia alguém lhe roubaria algo tão peculiar como os óculos de sua estátua.
Provavelmente faria um texto emblemático, até com certa acidez remetendo a tal fato e com a mesma capacidade de surpreender seus leitores atuais. 
De fato, é o nosso escritor de ontem, hoje e sempre Cada linha de seus versos, de seus romances e crônicas continuam a atrair e encantar, deixando no leitor a sede de mais leitura.
Se há uma unidade em Drummond é esta: a controvérsia e a elegância de suas palavras capazes de transmitir uma sobriedade que lhe é peculiar.


Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)
  
   



sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Na trilha de Gagarin e Armstrong

A jovem estudante gonçalense, Rafaela Bastos, 17 anos, juntamente com sua equipe obteve um feito inusitado:venceu o campeonato promovido pela agência espacial norte-americana em Huntsville, no Estado do Alabama. Além disso, a equipe conquistou dois prêmios na Nasa Human Exploration RoverChallenge, competição que simula uma corrida em um terreno extraterrestre.
Fonte: Jornal Extra - DivulgaçãoSpaceTroopers  
O grupo de adolescentes, cujos integrantes têm entre 15 e 18 anos, reside em duas cidades da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro. Os jovens estudantes sentem-se orgulhosos não apenas pelo feito, mas também porque conseguiram colocar suas cidades em relevo na mídia, às margens do noticiário policial. Seguindo os passos dos primeiros astronautas russo,Iuri Gagrin e norte-americano, Neil Armstrong - que foram os primeiros astronautas a irem para o espaço - o grupo  SpaceTroopers (soldados do espaço) como se autodenominam seus integrantes, depois desta aventura na qual encheram de orgulho não só as cidades de origem, mas o próprio país (que vive uma grande crise institucional) já pensa  na próxima etapa: voltar à agência norte-americana em 1918 para concorrer pelo prêmio maior: a corrida na categoria universitária. 
Os estudantes, atualmente mo ensino médio dos Colégios Pedro II, Odete São Paio e Santa Terezinha, vibraram ao receber o prêmio de melhor equipe internacional na categoria ensino médio. Receberam o título Pit Crew, que é dado para aqueles que mais se esforçam para consertar o carro no decorrer da competição, utilizando a criatividade e a menor quantidade de recursos. O grupo se conheceu e se uniu para as olimpíadas internacionais de matemática e na disputa deste ano na Nasa deixa como legado: ser a primeira e única equipe do Brasil a competir na disputa espacial, cuja trilha começou com Gagarin e Armstrong.
Fonte: Google Search

O espírito de competição, unido ao senso de coletividade e c desejo de vencer de forma sadia demonstram que sonhar e acreditar em mudança para o nosso país ainda é possível e vale a pena, pois há uma motivação concreta quando jovens de 15 a 18 anos se orgulham e mostram no exterior que o Brasil tem atletas da ciência no despertar para um pioneirismo honesto e de qualidade.

Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Acreditar e Viver

Sempre que a mensagem publicitária de Médicos Sem Fronteiras surge ma tela da TV com a fala: "podemos ser violentos, cruéis, egoístas", ao mesmo tempo em que exibe imagens de seres humanos em grande sofrimento e agonia, recordo imediatamente do que diz em seguida a mesma peça publicitária: "mas apenas seres humanos podem salvar outros seres humanos", mostrando
http://www.muitacao.com.br/wp-content/uploads/photo-gallery/unibes1/IMG_3227.jpg
imagens de ajudas humanitárias. Isto demonstra que apesar de todos os inúmeros problemas e dificuldades em nossa sociedade mudanças e melhorias ainda podem ocorrer.
E quem conhece a União Brasileira Israelita do Bem Estar Social (Unibes) uma ONG que há 102 anos atua no país atendendo crianças e adolescentes através de inúmeros projetos, incluindo também a formação dos jovens para o mercado de trabalho.
É uma atividade que envolve funcionários e muitos voluntários que atuam ao longo da semana, mas também sábados e domingos, além de realizarem a chamada "Ação Cidadã" nas áreas de Saúde (odontológica, clínica e nutricional) bem como de Lazer (oficinas de artesanato,contação de história e atividades esportivas) e Cidadania (palestras sobre alimentação saudável, cuidados de beleza e maquiagem) além de sorteios e brindes aos participantes.
Quem visita a Unibes encontra atendidos, funcionários, diretores e voluntários num clima de harmonia e alegria, mas sobretudo num ecumenismo concreto vivenciado em prol daqueles que mais necessitam de ajuda. É um ambiente onde parece que todas as dificuldades podem ser superadas se houver, disposição, boa vontade, união e também quem pode auxiliar materialmente e não apenas com dinheiro em espécie, mas doando seu tempo e talento construindo assim uma sociedade do futuro mais igualitária.

Regina Maria da Luz Vieira (RegiluzVieira)